Precisamos falar sobre Clássicos – E o Vento Levou

Queridos leitores, sou uma grande admiradora de filmes antigos e no que estes contribuíram para o desenvolvimento da indústria cinematográfica em todo o mundo até hoje. Pensando nisso, gostaria de compartilhar com vocês, amigos cinéfilos, curiosidades sobre alguns filmes nos quais consideramos clássicos para a história do Cinema. Os amantes dos retrôs podem comemorar, já que, prometo publicar artigos relacionados uma vez em cada mês. Então, confira o primeiro texto referente à Precisamos falar sobre Clássicos:

E o Vento Levou (Título Original Gone With the Wind): É um filme americano do gênero romance histórico, de 1939, e possui 238 minutos de duração. Em dezembro do ano passado, E o Vento Levou completou 76 anos de existência. Para quem nunca assistiu e tem interesse, é necessário um pouco de paciência, porque 238 minutos corresponde a quase quatro horas de longa.

Dirigido por Victor Fleming (também conhecido pela direção de O Mágico de Oz) e produzido por David O. Selznick, o filme retrata o sul estadunidense do século XIX. Narra a trajetória de Scarlett O’Hara, filha de temperamento forte do proprietário de uma plantação, e sua perseguição romântica de Ashley Wilkes, que é casado com sua prima, Melania Hamilton, para se casar com Rhett Butler. Definida contra a era da Guerra da Secessão e da reconstrução dos Estados Unidos, a história é contada a partir da perspectiva dos sulistas brancos. Os papéis principais são vividos por Vivien Leigh, Clark Gable, Leslie Howard e Olivia de Havilland, que interpretam Scarlett, Rhett, Ashley e Melanie, respectivamente.

Além de ser um clássico, o motivo de escrever sobre este longa, não é porque a história é linda, a direção é legal, os atores ”bonitinhos” e que foi um dos pioneiros da era colorida. O que mais me chama a atenção é a repercussão que o filme tem ainda nos dias atuais. Por exemplo, quem nunca ouviu ou usou a famosa frase como meme nas redes sociais: ‘‘Frankly my dear… I don’t give a damn!”. Que significa: ”Francamente minha querida… Eu não dou a mínima!” O mais interessante é que na época a frase dita pelo ator Clark Gable, que interpreta o personagem Rhett Buttler, ficou ainda mais marcante, já que, a palavra ”Damn” era considerada um palavrão nos Estados Unidos, e foi um choque para o público.

E o Vento Levou 2

Curiosidades:

O filme foi indicado em 13 categorias do Oscar de 1940, e venceu 10 delas. Inclusive, o mais importante na minha opinião, foi a categoria de Melhor Atriz Coadjuvante. Quem levou a estatueta para casa foi a atriz Hattie McDaniel, que interpreta a personagem Mammy. A primeira negra a vencer o Oscar!

E o Vento Levou 3

Além de todas essas indicações, E o Vento Levou teve outros fatos marcantes. Permaneceu durante 26 anos como a maior bilheteria da história do cinema, com US$ 390 milhões obtidos. O filme é o mais bem sucedido da história.

Ele foi baseado no livro de romance homônimo de 1936, escrito pela norte-americana Margaret Mitchell – o único que ela publicou em vida. Sucesso absoluto de vendas, o livro a transformou em uma celebridade. Em apenas seis meses, um milhão de cópias foram vendidas nos Estados Unidos. Também foi um dos primeiros a serem adaptados para a telona.

E o Vento Levou 4

Foram entrevistadas 1.400 atrizes para o papel de Scarlett O’Hara: o maior teste de atrizes da história do cinema! Dessas, 400 foram selecionadas para fazer uma audição. Gastaram-se 92 mil dólares para o penúltimo teste, com as 90 atrizes classificadas. Duas foram escolhidas para a seleção final: Paulette Goddard e Vivien Leigh. E quem venceu foi Vivien.

E o Vento Levou 5

Bom pessoal, estas foram apenas algumas curiosidades sobre um dos maiores clássicos do cinema até hoje. Aos que se interessaram,

CONFIRA O TRAILER ABAIXO:

Thais Muniz Author

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *