As 20 maiores injustiças do Oscar.

Estamos em temporada de Oscar. Isto é fato. Todos os holofotes estão voltados para a maior premiação do cinema mundial. Entretanto, premiações não costumam agradar um ou outro. Em alguns casos à maioria. Sendo assim, decidimos listar as 20 maiores injustiças cometidas pela academia.

20. Mickey Rourke não leva a estatueta de Melhor Ator.

A vida de um wrestler em decadência não é nada fácil. Esses rapazes fazem golpes e movimentos extremamente perigosos tudo para o entretenimento do público. O que isso causa? Além de muitos machucados, uma vida vazia e triste fora do ringue. Mickey Rourke transmite isto ao público de forma excelente. Naquela oportunidade, a academia premiou Sean Penn, que estava muito bem em ‘Milk’, mas a melhor atuação de 2008 foi de Mickey Rourke por “O Lutador”.

19. Chicago é eleito o Melhor Filme em 2003.

Na 75ª edição da festa, o Oscar voltou a premiar um musical. O cansativo Chicago (2002) saiu com a estatueta de filme do ano enquanto dois filmaços foram esnobados naquela oportunidade. São eles o ótimo Gangues de Nova York, do grande Martin Scorsese, e o inesquecível O Pianista, do talentoso Roman Polanski. Sinceramente, não deu pra entender o que houve com a academia em 2003, mas foi um ano muito infeliz para esta grande premiação.

18. A Vida é Bela ganha de Central do Brasil.

1999 também foi um péssimo ano para a academia. Na categoria de Melhor Filme Estrangeiro, o Brasil chegou tão perto de levar a estatueta pela primeira vez, no entanto acabou vendo o filme italiano de Benigni ganhar naquela oportunidade. A Vida é Bela, conta a tosca história de um pai que vai para o campo de concentração com seu filho e o faz pensar que tudo aquilo não passava de uma gincana. Um filme que oscila em um drama pesado e uma comédia bobinha, e que conseguiu ganhar de um dos melhores filmes nacionais já feito.

17. Réquiem Para um Sonho não foi indicado em Melhor Trilha Sonora.

No Oscar de 2001, a trilha sonora do filme O Tigre e o Dragão (2000) foi a vencedora. Realmente era a melhor trilha entre as INDICADAS. O problema é que Clint Mansell compôs possivelmente uma das melhores trilhas sonoras de todos os tempos para o filmaço Requiem For A Dream (2000). Uma musica que vai seguindo conforme o tom do filme até chegar num final sufocante. Uma ofensa não ter se quer sido indicada.

16. Três Homens em Conflito, cadê?

Sergio Leone é o rei dos westerns. E em 1966 ele dirigiu a terceira parte da trilogia dos dólares “Três Homens em Conflito”, considerado por muitos (e inclusive por mim) o melhor faroeste de todos os tempos. Mas a academia não deu sequer uma indicação para esse filmaço com Clint Eastwood. Não concorreu em Melhor Filme, em Melhor Diretor para Leone, em Melhor Ator para Clint Eastwood, em Melhor Roteiro e em Melhor Trilha Sonora para Ennio Morricone. Uma grande injustiça.

15. Catherine Deneuve não foi indicada para Melhor Atriz em 1968.

Em 1967, a atriz francesa Catherine Deneuve com apenas 24 anos de idade brindou os cinéfilos com uma das melhores atuações femininas de todos os tempos. No filme A Bela da Tarde, ela interpreta Séverine Serizy, que é casada com Pierre e passa suas tardes trabalhando num bordel. Não é qualquer atriz que toparia fazer esse papel e nenhuma atriz impressionaria tanto quanto Deneuve. Infelizmente a academia pensou diferente naquele ano e nem indicou-a para Melhor Atriz.

14. Denzel Washington perde por Malcolm X.

No cinema, já houve milhares de atuações biográficas boas, mas nenhuma que fosse tão perfeita quanto a de Denzel Washington em Malcolm X (1992). Interpretando o próprio Malcolm X, Denzel passa por todas as fases históricas do ativista afro-americano conseguindo uma atuação impecável. Só que a Academia simplesmente o esnobou e deu o prêmio para Al Pacino que também já tinha sido injustiçado em premiações anteriores. Denzel Washington sem dúvidas merecia o Oscar naquele ano e jamais haverá outro Malcolm X tão bom quanto ele nos cinemas.

13. Assim Caminha a Humanidade não leva Melhor Filme.

O clássico do cinema Giant, ou Assim Caminha a Humanidade (1956) estrelado por Elizabeth Taylor e James Dean marcou uma geração e se tornou um dos melhores filmes da década de 50. Inexplicavelmente a academia premiou o longa “A Volta ao Mundo em 80 dias” (1956), que além de ser um filme bem mediano, não passa de uma comédia totalmente esquecível.

12. Rocky vence Taxi Driver.

Martin Scorsese é um caso a parte do Oscar. Foi um diretor que viu seus melhores filmes serem injustiçados. A maior delas aconteceu em 1977, quando o marcante Taxi Driver (1976) perdeu para Rocky do Stallone. Possivelmente o filme com o melhor desenvolvimento de personagem da história, que era o Travis Bickle vivido por Robert de Niro, e que saía de todos os moldes de hollywood, onde o espectador tinha que sentir empatia pelo mocinho. É, mas a academia premiou Rocky, que não chega nem perto da qualidade do longa de Scorsese.

11. Bastardos Inglórios perde Melhor Filme.

Em 2010, na 82ª do Oscar, Bastardos Inglórios (Inglorious Basterds, 2009) era disparado o melhor filme indicado ao Oscar. Infelizmente a academia não estava pronta para premiar um trabalho de Quentin Tarantino. Na ocasião, o prêmio foi para o superestimado Guerra ao Terror (2009), que também rendeu à Kathryn Bigelow o prêmio de Melhor Direção, sendo a primeira mulher a ganhar a estatueta na história dessa categoria.

10. O Sexto Sentido não ganha Melhor Roteiro Original.

Sim. É exatamente isto que você leu. No ano de 2000, a academia não deu o prêmio de Melhor Roteiro Original para O Sexto Sentido (1999). Beleza Americana levou a estatueta. Agora preciso dizer porquê O Sexto Sentido merecia aquele prêmio? Um roteiro amarradinho e intrigante que prende o espectador até último minuto do filme, e ainda por cima nos brinda com um Plot-Twist fenomenal. “I See Dead People”. Mancada da academia, mais uma vez provando que, quando quer, sabe desagradar à todos.

09. Shakespeare Apaixonado é melhor que O Resgate do SD Ryan, sério?

Realmente, 1999 não foi um bom ano para a academia. A comédia romântica de época Shakespeare Apaixonado (Shakespeare in Love, 1998) levou tudo o que podia de prêmios na 71ª edição do Oscar, em 1999. Muitos deram crédito da vitória devido aos jabás que a Miramax (produtora do longa) estava distribuindo para os votantes da Academia. Com isso, O Resgate do Soldado Ryan (Saving Private Ryan) acabou ficando só com o Oscar de direção para Steven Spielberg e perdendo Melhor Filme e Melhor Roteiro Original para Shakespeare Apaixonado.

08. Kubrick não ganha Melhor Direção por 2001: Uma Odisséia no Espaço.

No ano de 1968, Stanley Kubrick dirigiu 2001: Uma Odisséia no Espaço. Um longa-metragem com efeitos impressionantes e considerada por muitos (inclusive por mim) a melhor Ficção Científica de todos os tempos. Um trabalho de direção impressionante e que foi a aposta de todos para vencer o prêmio Melhor Direção no Oscar de 1969. Mas para a infeliz surpresa de todos, o prêmio foi para o Sir Carol Reed. Que vergonha hein votantes.. Stanley Kubrick sem dúvidas merecia o prêmio naquele ano.

07. Marlon Brando perde o Oscar em 1952.

Muito antes de “O Poderoso Chefão” e “O Ultimo Tango em Paris”, Marlon Brando já dava aulas de atuações. A maior delas foi em Uma Rua Chamada Pecado (A Streetcar Named Desire, 1951) onde ele cria um de seus personagens mais emblemáticos, o troglodita Stanley Kowalski. Apesar das atrocidades que ele faz com as personagens femininas no filme, ele é um rapaz muito humano, e essa dualidade é demonstrada de forma genial por Marlon Brando. Mas a academia parece ter visto outro filme e premiou Humphrey Bogart pelo The African Queen (1951) numa atuação que nem digna de indicação era.

06. A Laranja Mecânica não ganhou nada.

O brilhante Laranja Mecânica (A Clockwork Orange, 1971) foi indicado a quatro prêmios no Oscar, mas não levou nenhum dos prêmios. Perdendo, inclusive, a estatueta de melhor filme para Operação França (The French Connection). Além de não ter levados nenhum desses quatro prêmios pelos quais foi indicado, viu seu protagonista Malcolm McDowell ser ignorado pela academia e não concorrer pelo prêmio de Melhor Ator. Sem dúvidas um dos maiores erros da academia.

05. Julia Roberts ganha de Ellen Burstyn.

No Oscar de 2001, concorriam 5 indicadas para o prêmio de Melhor Atriz. Muitos acreditavam que a academia iria optar pela opção errada e dar o prêmio para Julia Roberts por Erin Brockovich. E foi exatamente o que a academia fez, não premiando Ellen Burstyn por sua incrível atuação no filme Réquiem Para um Sonho (Requiem For A Dream, 2000) do grande Darren Aronofsky. Enquanto de um lado tínhamos uma Julia Roberts sem sal e pouco expressiva, do outro tínhamos uma Ellen Burstyn dedicada, inspirada e incrivelmente bem. Falha da academia.

04. Cantando na Chuva não foi indicado para Melhor Filme.

O melhor Filme do ano de 1952 foi sem dúvidas Cantando na Chuva. Mas por incrível que pareça a academia nem sequer indicou-o para o prêmio de Melhor Filme, o que é algo incompreensível pois os musicais estavam em alta no final da década de 40 e no início da década de 50. Essa sem dúvidas foi uma das maiores mancadas da academia até hoje, e merece o quarto lugar na nossa lista.

03. Roberto Benigni tira o prêmio de Edward Norton.

Como foi dito anteriormente, 1999 não foi um bom ano para a academia do Oscar. Prova disto talvez seja nesta que eu considero a maior injustiça da história em prêmios de atuações. Roberto Benigni venceu o Oscar de Melhor Ator por A Vida é Bela, enquanto Edward Norton foi para casa de mãos abanando. Enquanto Benigni nada apresentou em sua atuação, Edward Norton em A Outra História Americana (American History X, 1998) criou possivelmente o maior Nazista que o cinema já viu.

02. Cidadão Kane não é eleito Melhor Filme.

O filme mais revolucionário da história do cinema e visto por todos estudantes dessa área não venceu na categoria de Melhor Filme no Oscar de 1942. Como se não bastasse, Orson Welles perdeu a estatueta de Melhor Diretor para John Ford naquela oportunidade. Um filme da importância de Cidadão Kane não ganhar o prêmio de Melhor Filme já é um absurdo, agora perder para o filminho que é o Como Era Verde Meu Vale (1941) já é uma imensa sacanagem.

01. Francis Ford Coppola não vence Melhor Diretor por Apocalypse Now.

Em 1979, Francis Ford Coppola dirigiu o filme mais difícil de dirigir da HISTÓRIA DO CINEMA. Apocalypse Now colecionou inúmeros problemas durante as produções, e só por isso Ford Coppola deveria ser reconhecido. Entretanto, ele conseguiu fazer o que é considerado por muitos (e por mim também) o melhor filme de Guerra já feito. Não há motivos para ele não ter levado a estatueta de Melhor Diretor. Mas a academia parece ter achado motivos e tirou o prêmio de suas mãos e entregou para Robert Benton. Não foi só uma injustiça por parte da academia, foi uma grande falta de respeito e reconhecimento por parte dos votantes.

Comments

    Aparecido Amorim Ramos

    (February 9, 2016 - 7:25 pm)

    A academia de vez em quando comete essas injustiças irreparáveis ,e ainda continua e vai continuar cometendo infelizmente ,agora mesmo em 2016 ,não teria como não indicar a Charlize Theron como melhor atriz ,ela arrasa no papel da imperatriz furiosa ,nenhuma atriz chegou nem perto da atuação dela esse ano e ela sequer foi indicada ,incrível,mais uma dessas injustiças da academia pra ficar na história.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *